terça-feira, dezembro 22, 2009

3º CURSO DE TEATRO| FEVEREIRO 2010




















O TEatroensaio realizará três workshops nos três primeiros fins de semana de Fevereiro de 2010.

Dia 19 (sexta feira) das 20h às 23h30, dia 20 (sábado) e  dia 21 (domingo) das 15h às 20h. É um laboratório de interpretação para ACTORES JÁ EM ACTIVIDADE OU EM FORMAÇÃO E ESTUDANTES DE TEATRO.

Confrontando o indivíduo com o próprio teatro, este workshop tem como objectivo e interrogação, despertando novas experiências através da pesquisa na encruzilhada de várias tendências/influências teatrais.

FORMADORES: Pedro Estorninho, Inês Leite, André Brito e Alice Prata.

1 workshop = 50€
3 workshops = 100€

O número MÍNIMO de participantes é de 10 pessoas.
O número MÁXIMO de participantes é de 25 pessoas.

É entregue um certificado de participação.

PARA MAIS INFOS, POR FAVOR CONTACTE:

teatroensaio@gmail.com        918626345

2º CURSO DE TEATRO| FEVEREIRO 2010


















O TEatroensaio realizará três workshops nos três primeiros fins de semana de Fevereiro de 2010.

Dia 12 (sexta feira) das 20h às 23h30, dia 13 (sábado) e dia 14 (domingo) das 15h às 20h. É um workshop para PROFESSORES E EDUCADORES.

Cada vez mais o processo educativo passa por noções e actividades que se pretendem estimulanetes e motivadoras, tanto para o educador como para o educando. Este workshop pretende demonstrar como o processo teatral é importante neste panorama.

FORMADORES: Pedro Estorninho, Inês Leite, André Brito e Alice Prata.

1 workshop = 50€
3 workshops = 100€

O número MÍNIMO de participantes é de 10 pessoas.
O número MÁXIMO de participantes é de 25 pessoas.

É entregue um certificado de participação.

PARA MAIS INFOS, POR FAVOR CONTACTE:

teatroensaio@gmail.com            918626345

1º CURSO DE TEATRO| FEVEREIRO 2010



















O TEatroensaio realizará três workshops nos três primeiros fins de semana de Fevereiro de 2010.

Dia 5 (sexta feira) das 20h às 23h30, dia 6 (sábado) e dia 7 (domingo) das 15h às 20h. É um workshop para PÚBLICO EM GERAL maior de 16 anos.

Na necessidade da criação da sensibilidade para a arte em geral, o TEatroensaio inicia este primeiro contacto com o teatro e as suas formas.

FORMADORES: Pedro Estorninho, Inês Leite, André Brito e Alice Prata.

1 workshop = 50€
3 workshops = 100€

O número MÍNIMO de participantes é de 10 pessoas.
O número MÁXIMO de participantes é de 25 pessoas.

É entregue um certificado de participação.

PARA MAIS INFOS, POR FAVOR CONTACTE:

teatroensaio@gmail.com    918626345

segunda-feira, novembro 02, 2009

80 anos Zeca, Rota dos bares


O TEatroensaio irá participar na Rota dos bares, dia 7 de novembro às 22h, no Café Pedra Nova. Poesia a cargo de Inês Leite e Pedro Estorninho. Estão convidados. Apareçam!

terça-feira, agosto 25, 2009

segunda-feira, agosto 17, 2009

O TEatroensaio apresenta o seu novo trabalho


"A Última Porta"
de Pedro Estorninho

De 27 de Agosto a 6 de Setembro, 22h00

Blackbox, Cace Cultural do Porto
(antiga central eléctrica do Freixo)

Este texto surge de uma notícia de jornal. Notícia que podia ser de um século qualquer anterior ao XIX. Mas não, aconteceu em 2005.
Um grupo de homens foi escravizado por um agricultor a norte de Espanha, entre esses homens encontravam-se dois portugueses. Quando foram descobertos e soltos pela polícia local, um desses portugueses, António, devido aos maus tratos físicos e psicológicos só conseguia reter na memória o seu nome e nada mais. Nem sequer a sua nacionalidade sabia.
Esta peça trata exactamente sobre o tempo de cativeiro desses dois homens. Mas aqui a dor é mais intensa, eles lembram-se de vários acontecimentos passados nas suas vidas, somente não se lembram dos nomes. Tudo são memórias dentro de um espaço psicológico confuso e que por vezes se perde e os faz perder.
Uma das maiores e mais interessantes frases escritas por Lord Edmund Halley aplica-se perfeitamente a este espectáculo: “ Como as estrelas na noite também os nossos perdidos pensamentos furam a escuridão que envolve o espaço vazio até ao cérebro.”
Pedro Estorninho
Ficha Artística:

Texto e Encenação Pedro Estorninho
Assistência de Encenação Inês Leite
Interpretação André Brito e António Parra
Desenho e operação de luz Romeu Guimarães
Execução Cenografia Hugo Ribeiro
Produção Catarina Mesquita
Design gráfico Pedro Ferreira


informações e bilheteira: 918626345 ou 937017575
teatroensaio@gmail.com

compareçam e divulguem!!

quarta-feira, junho 17, 2009

Primeiro Aniversário

O TEatroensaio não comemora este mês um ano de aniversário, mas sim três mil anos de teatro. Esta sim deve ser a verdadeira celebração, diária, de quem faz teatro. Existe uma enorme responsabilidade neste termo “Fazer teatro”. Uma responsabilidade, como acima foi referido, que se tem feito perpetuar desde há três mil anos.
Falemos então de responsabilidade e responsabilidades, falemos dos gregos e da Grécia, onde Sófocles, Aristóteles, Péricles, entre muitos outros, já aqui estavam onde nós pensamos estar hoje e pretendemos estar amanhã. E foi com um enorme sentido de responsabilidade e seriedade, que firmaram esta herança que muitos de nós abraçamos. Mas também somente foi possivel, por terem criado uma fortíssima base artistíca, política e histórica. Essa herança chegou, felizmente, até nós pelas mãos de, também, muitos outros que por vezes em condições terriveis, abraçaram e responsabilizaram-se por não deixar cair esta coisa fantástica que chamamos TEATRO.
Qual o segredo para a perpetuação, para a sobrevivência? O que nos cabe a nós, profissionais e não profissionais do/de teatro? Segredo esse que é tão simples, basta olharmos para as vitórias e sucessos de quem as teve no passado e no passado recente, muito simples as PESSOAS. Porque é disto que o teatro tem e deve tratar, das pessoas. Porque ao tratarmos de pessoas tratamos de Amor, Ódio, Alegrias, Dores, Política, enfim do mundo. É esta a nossa responsabilidade e a nossa prioridade nesta época tão desumanizada, tão afastada de realidades, tão afastada do indivíduo e da sua existência. A nossa prioridade é (re)ligar o teatro às pessoas e vice-versa.
Péricles instituiu uma coisa maravilhosa chamada “Theôricon”, uma coisa tão simples, um fundo especial para que todos os cidadãos pudessem assistir aos jogos/festivais de teatro.
Robespierre escreveu “Os teatros são escolas primárias e são um suplemento à educação nacional.”
Stanislavsky disse “Todo o atentado contra a actividade criadora do teatro é um crime público e contra o público.”
Garcia Lorca afirmou “Um povo que não ajuda e não fomenta o seu teatro, se não morreu ainda, está moribundo; do mesmo modo que o teatro tem que atender à pulsação do seu povo.”

Que responsabilidade nós temos, todos nós temos.

Do TEatroensaio, mero embrião que espera nascer e respirar livre, só podemos dizer que não existia se não tivessem sido as cerca de 60 pessoas que com uma generosidade exepcional, o têm feito respirar.

Bem Hajam, muito bem Hajam, Obrigado.


O TEatroensaio.

segunda-feira, junho 08, 2009

"B" a partir de Samuel Beckett

Últimos dias

11 a 14 de Junho

21h30

Blackbox do CACE Cultural do Porto ( Antiga Central Eléctrica do Freixo)

FESTA ENSAIO

O TEatroensaio - Teatreia Associação Cultural - convida-o para a celebração do seu 1ºaniversário.

A Festa terá lugar no CACE Cultural do Porto - Espaço Panmixia, pelas 23h30, do próximo Sábado, dia 13 de Junho.

Música a cargo do Dj Ruba Linho e Dj Pedro Ferreira.

Entrada Livre

Contamos consigo!

terça-feira, maio 26, 2009

B.


































B. a partir de Samuel Beckett

Uma das grandes provas da capacidade de resistência mental e física que o ser humano tem pós o caos, o extremo acontecimento e a noção de que para além de nada ainda existe a permanência, a solitária permanência entre e sobre os cacos, são os textos de Samuel Beckett.


Sim falamos sobre existencialismo, mas sobretudo sobre existência.

Estes textos que iremos apresentar são a prova literária, teatral e pessoal disso mesmo. O que levará? Que motivação terão estas personagens? Umas cómicas outras trágicas ao extremo do ridículo, a ainda permanecer?




“B.” é um espectáculo que trata e retrata esta existência que é tão frágil e ténue como a vida humana.
Pedro Estorninho


segunda-feira, março 30, 2009

ChAOs 4 - o quarto Chaos foi assim:



















Clique nas imagens para aumentar

quinta-feira, março 19, 2009

ChAOs 4 - o quarto Chaos


















Clique na imagem para aumentar

Tudo e nada. No final sempre tudo. Será sempre o que exigimos dos que amamos. Um estrangeiro dentro de si, uma cara conhecida, um corpo criado mas no entanto tudo estranho “Lembras-te do teu nascimento?” ela “ Claro que não pai! Que disparate tão grande!”

Daqui em diante tudo em aberto, tudo a descoberto; que decisões? Que memórias escolher? Que memórias não escolher? Que caras aniquilar? Que caras colocar de novo na parede? Enfim, tudo o que possamos imaginar numa pergunta de quem está longe.
No entanto uma cidade que nos acolheu, no entanto o abrigo, no entanto tantos anos que nos deram do que lá não nos permitiram.
“Pai que vais fazer lá em baixo? La bas cet le fin du monde!”
Eterno e tão nosso conhecido problema migrante, não ser de cá nem de lá.
Baudelaire disse: “Homem amas o teu país? Não conheço a sua latitude.
Afinal que amas tu, homem enigmático?
As nuvens... as maravilhosas nuvens.”

O encenador
Pedro Estorninho

Para mais informações ou reservas ligue 918626345 ou contacte-nos no mail: teatroensaio@gmail.com
Apareça e divulgue

Apoios / Parcerias
IEFP,IP / CACE Cultural Porto /Panmixia / ESMAE / ESE - IPP / MOLA

terça-feira, março 10, 2009

ChAOs 4 - o terceiro Chaos


















Clique na imagem para aumentar

Chaos III

“ Eu amo-te, tão amor, meu sexo, minha igual, só nós não chegamos.

A carne entre os dentes, que gosto minha igual.”

A grande questão entre o real quotidiano e o visionário ser tem esse riso de existir, esse gozo de tocar. De nos tocarmos, essa preciosa dor de nos tocarmos...

O encenador

Pedro Estorninho

Para mais informações ou reservas ligue 918626345 ou contacte-nos no mail: teatroensaio@gmail.com
Apareça e divulgue

Apoios / Parcerias
IEFP,IP / CACE Cultural Porto /Panmixia / ESMAE / ESE - IPP / MOLA


O TEatroensaio vem informar que o Chaos III previsto para domingo, dia 15 de Março foi cancelado, por motivos de saúde de uma das actrizes que impossibilita a realização do mesmo. Pedimos desculpa e a vossa compreensão para tal.

ChAOs 4 - o segundo Chaos foi assim :






















Fotos: Pedro Ferreira
(clique para aumentar)

quarta-feira, março 04, 2009

ChAOs 4 - o segundo Chaos


















(Clique para ver maior)

Chaos II

As paredes, o suor, a tinta branca da cara liquefeita...

No entanto o esforço é leve, será sempre leve o meu esforço, o meu quase...

quase não... o meu certo esforço da solidão.

“Não se enganem, eu sempre quis estar só... tenho saudades dela... de quando ainda não a conhecia... de quando ainda sequer não a ouvia...”

Tantas são as casas nas pessoas que não entramos.

O encenador
Pedro Estorninho

Para mais informações ou reservas ligue 918626345 ou contacte-nos no mail: teatroensaio@gmail.com
Apareça e divulgue

Apoios / Parcerias
IEFP,IP / CACE Cultural Porto /Panmixia / ESMAE / ESE - IPP / MOLA

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

ChAOs 4 - o primeiro Chaos
















Fotos: Pedro Ferreira (clique para aumentar)

O que poderemos inventar para padecer, quando tudo o que existe já é realmente tudo.
Que fazer? Falar, falar, falar e falar.
Mas com quem? Connosco próprios e se possível que alguém nos ouça e se incomode com isso.
A inovação velha do abandono, o regresso ao fim, como o fim do princípio.
“ Não achas interessante o que eu digo?” ela “ Não!” ele “ Nunca?”
De novo o silêncio.

O encenador
Pedro Estorninho

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

ChAOs 4


















Clique na imagem para ver maior

sexta-feira, janeiro 09, 2009

Oficina de Introdução ao Teatro


















Clique na imagem para aumentar

quinta-feira, janeiro 08, 2009

O Teatroensaio deseja-vos:

O Dia Que Ficou Sempre De Noite


















“ O Dia que ficou sempre de noite “ é uma peça que aborda a temática da Ecologia e Sustentabilidade, onde se aprende a responsabilidade do ser humano para com o ambiente e a força do seu pensamento. Um espectáculo pensado especialmente para as crianças do primeiro ciclo e com conteúdos que podem ser aplicados ao projecto educativo anual das escolas.
Um espaço livre para dar asas à magia do teatro e à imaginação das crianças. Uma história contada por actores e marionetas para aprender a importância da água, da luz,das árvores e da vida em geral.

Sinopse
O dia que ficou sempre de noite, conta a “ESTÓRIA” de um grande pensador, que resolvia a maior parte dos grandes problemas de todo o mundo.
Um dia teve de resolver o maior de todos os problemas que alguma vez lhe tinham pedido para solucionar, eis que se deparou com uma situação muito desagradável, o local onde vivia era pequeno demais para as suas grandes idéias. Mudou-se para o campo começando assim uma nova etapa. No campo como não tinha supermercados nem lojas, o grande pensador começou a utilizar os meios que estavam à sua volta, neste caso a natureza. Gastou tanto, tanto, tanto que se deparou a viver quase num deserto. Uma das árvores que ele gastou era muito especial, era a árvore que acordava a Lua para ir chamar o Sol, mas como estava tão gasta e sem energia, uma noite a árvore não conseguiu acordá-la, ficando sempre de noite. O grande pensador teve então um grande problema à sua frente para resolver, arranjar maneira de ser dia de novo.

Ficha Artística
Encenação: Pedro Estorninho
Texto: António José Ferreira
interpretação: António Parra e Inês Leite
Voz Off: Liliana Rocha,Joana Alves dos Santos, Nina Vicente e Tiago Correia
Apoio Pedagógico: Joana Alves dos Santos
Cenografia e Marionetas: Inês Leite, Joana Alves dos Santos e Pedro Ferreira
Desenho de Luz: Francisco Tavares Teles
Produção: Jorge Baptista
Operação de Luz e som: Romeu Guimarães
Grafismo: Pedro Ferreira

Actividades
No final do espectáculo serão apresentadas algumas experiências científicas às crianças, de uma forma divertida e adaptada, de forma a que integrem melhor os conhecimentos adquiridos com a peça.
Também lhes será oferecida uma folha com recursos educativos e actividades, onde poderão brincar com as propostas artísticas .

Parcerias e Apoios:
IEFP – CACE Cultural do Porto
Panmixia Associação Cultural
CASAIS
ESMAE – IPP
ESE - IPP
MOLA

Parda




















Ficha Artística


Texto - Gil Vicente
Adaptação, direcção e encenação - Pedro Estorninho
Interpretação - Inês Leite
Cenografia - Ricardo Preto e Teresa Alpendurada
Desenho de luz - Francisco Tavares Teles
Sonoplastia - Rui Lima
Produção executiva - Vera Miranda

Sinopse

Maria Parda e o seu pranto foi (não nos falhe a memória) um dos primeiros monólogos escritos para uma personagem feminina. Gil Vicente escreveu-o em 1522.
Maria Parda retrata a estória (dentro da história) de uma mulher viciada em álcool, que habita nas ruas de Lisboa e busca incessantemente alguém ou algum tasqueiro que lhe fie um canudo de vinho.
Isto seria a sinopse que se adaptaria, mas Gil Vicente tem com este texto um sub-texto muito mais rico, profundo e humano tocando mesmo um dos assuntos eminentes, a Fome, a Mendigagem, a imposta Solidão e Miséria.
O Teatro Ensaio quis ir por um caminho pouco usual, decidiu uma abordagem mais fria, negra e não humorística desta peça.

TEatroensaio - Apresentação










Teatro Ensaio

Segundo o dicionário Porto Editora Ensaio quer dizer: 1 – avaliação das propriedades ou características de algo; teste; 2 – execução preparatória, total ou parcial, de peça teatral, musical, etc., antes da sua apresentação oficial ao público; 3 (fig.) tentativa; 4 – Lit. texto de análise e interpretação crítica de determinado assunto.
Sobre o teatro reservamo-nos ao direito de o não explicar e sim executá-lo.
O Teatro Ensaio não surge, não aparece, é projectado com a intenção de criar uma companhia, em que possamos abordar o texto, não deixando a parte plástica, cénica em défice, mas com a principal preocupação de criar espectáculos a partir da palavra.

Gostaríamos de deixar aqui uma lembrança de um dramaturgo e grande poeta que admiramos:

“ Um Povo que não cuida do seu teatro,
é um Povo amorfo e moribundo.”

Garcia Lorca